segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Oficina – Produção escrita

Passado um tempo, a SEE/MG publicou em seu site https://www.educacao.mg.gov.br/crv/tempointegral mais algumas sugestões de oficinas para serem desenvolvidas nas turmas de Tempo Integral. Algumas são adaptação das oficinas já apresentadas. Outras são oficinas dinâmicas e que podem ser trabalhadas em qualquer ano de escolaridade.
Sugerimos a vocês, professores, que usem a imaginação e extrapolem, criando novos momentos de aprendizagem junto ao PROETI.

Sugestão de oficinas que deverão ser adaptadas de acordo com o ano de escolaridade em que os alunos estão.

Oficina – Produção escrita

1-Objetivos:
· Produzir textos escritos de gêneros diversos, adequados aos objetivos, ao destinatário e ao contexto de circulação.
· Utilizar diferentes gêneros e suportes.
· Capacidade de usar a variação linguística adequada ao gênero de texto que se está produzindo, aos objetivos que se cumprir com o texto, aos conhecimentos e interesses dos leitores previstos, ao suporte em que o texto vai ser difundido, fazendo escolhas
adequadas quanto ao vocabulário e gramática.
· Valer-se dos recursos expressivos apropriados ao gênero e aos objetivos do texto ( produzir encantamento, comover, fazer rir, ou convencer racionalmente).
· Adquirir capacidades de revisar e reelaborar a própria escrita, segundo critérios adequados aos objetivos, ao destinatário e ao contexto de circulação previsto.
· Recriar textos, usando recursos de textualização adequados ao discurso, ao gênero, ao suporte, ao destinatário e ao objeto da interação.
· Explorar fato e opinião nos diversos textos.
· Desenvolver capacidades necessárias para o uso da escrita em diversos contextos sociais.
· Dominar as regularidades e irregularidades ortográficas.
· Planejar a escrita do texto considerando o tema central e seus desdobramentos.

2- Material necessário
· Placas
· Rótulos
· Embalagens comerciais
· Revistas
· Jornais
· Contratos
· Livros científicos
· Obras literárias
· Listas telefônicas
· Histórias em quadrinhos, charges
· Som e CD
· Papel A4
· Documentos ( identidade, CPF, Bolsa -família, certidões, título eleitoral etc)
· Dinheiro, cartão telefônico, talões de água, luz, telefone, etc.

3-Tempo previsto: 5 a 6 horas

4- Aquecimento para o tema (sensibilização : compreensão e valorização da cultura escrita)
Primeiramente será feita uma reflexão sobre a importância da escrita em nossas vidas e na sociedade sociedade e o uso efetivo e autônomo da língua escrita em práticas sociais diversificadas.
Em seguida, será feita uma excursão por alguns bairros da cidade para que percebam que vivemos em uma sociedade letrada, em que a língua escrita está presente de maneira visível e marcante nas atividades cotidianas. Chamar a atenção para o fato de que sempre estaremos em contato com textos escritos e criar situações em que os alunos formulem hipóteses sobre sua utilidade, seu funcionamento, sua configuração. Explicar que a não vivência em sala de aula desses textos pode reduzir e artificializar o objeto de aprendizagem que é a escrita, possibilitando que os alunos desenvolvam concepções inadequadas e disposições negativas a respeito desse objeto. Enfatizar que, deixar de explorar a relação extra-escolar dos alunos com a escrita, significa perder a oportunidade de conhecer e desenvolver experiências culturais ricas e importantes para a plena integração social e o exercício da cidadania.

Observação: Os alunos que ainda não sabem escrever, o professor poderá orientá-los para a compreensão e valorização dos diferentes usos e funções da escrita, em diferentes gêneros e suportes, quando:
· Ler em voz alta para eles histórias, notícias, propagandas, avisos, cartas circulares para os pais.
· Trouxer para a sala de aula textos escritos de diferentes gêneros, em diversos suportes ou portadores e os explorar com os seus alunos (registro da rotina do dia no quadro de giz, anotação de decisões coletivas, planejamento e organização de trabalhos, jogos, festas.
· Orientar a produção coletiva de textos, em que os alunos sugerem e discutem o que vai ser escrito e o professor registra a forma escolhida no quadro de giz.

5- Reflexão dialógica : compartilhando ideias
Dividir o grupo em dois subgrupos, distribuir folhas de papel A4 de duas cores diferentes aos participantes e propor que os membros de cada subgrupo completem uma das seguintes frases:
1-Escrever é importante porque.........
2-Podemos usar a escrita em..............
· Cada pessoa deverá escrever, na folha, com letra grande, uma palavra ou expressão que complete a frase e colar a folha no peito com fita crepe .
· Solicitar que todos circulem pela sala ao som de uma música, observando as palavras que os companheiros de subgrupo escreveram.
· Explicar que, quando a música for interrompida, cada pessoa deverá formar uma dupla com outra de seu subgrupo, cuja palavra considere que tenha mais afinidade com a sua.
Durante o tempo de interrupção da música, as duas pessoas vão conversar sobre as relações entre as duas palavras ou expressões. Assim que a música recomeçar, a dupla caminha e, uma nova interrupção, forma um grupo com outra dupla, seguindo o mesmo critério da afinidade. As quatro pessoas conversam sobre suas idéias e caminham juntas.
· O procedimento se repete até que se formem grupos de oito pessoas, cada um dos quais elabora e registra, em uma tarja de papel, sua definição de escrita e onde pode ser empregada.
· Apresentar, comparar e discutir em plenário as frases elaboradas. Terminar a discussão apresentando os conceitos de escrita, levando os alunos a confrontá-lo com os conceitos deles e a pensar em alternativas para as seguintes questões:
a) O que é uma sociedade grafocêntrica? (Explicar a palavra, pois deve ser desconhecida deles).
b) Por que no dia-a-dia dos cidadãos a escrita está presente em todos os espaços e a todo momento, cumprindo diferente funções?
c) Quais são os usos e funções da escrita?
d) Como fazer as escolhas adequadas, ao participar das práticas sociais de leitura/escrita?
e) Qual a utilidade da escrita?
f) Explorar jornais identificando seus cadernos, o conteúdo da primeira página, analisando os gêneros textuais contidos nele: artigo de opinião assinado, coluna, editorial, reportagem, notícia, carta ao leitor, charge, tirinha, sinopse de filmes e capítulos de novelas, etc.; localização de gêneros e funções diversificadas nos diferentes cadernos ( onde encontrar o horóscopo do dia), como saber que filme vai passar na televisão, como descobrir se há alguém vendendo alguma coisa, como saber o preço de uma geladeira, onde foi publicado o jornal, qual é sua tiragem, isto é, o número de exemplares publicados, etc.
g) Exploração de revistas noticiosas, esportivas, ou dirigidas ao público infantil e adolescente ( por exemplo, revistas sobre jogos de vídeo game), em moldes semelhantes aos da exploração de jornais.
h) Exploração da capa de DVDs e fita de vídeo: como saber se o filme é dublado ou legendado, qual a sua duração, quem são os atores e o diretor, qual a empresa produtora ( o estúdio cinematográfico).
i) Exploração de caixas de jogos: para que faixa etária o jogo é indicado? Quantas pessoas podem jogar? Quais são as peças necessárias? Como se joga? Quais as exigências para jogar o jogo?Quem é o fabricante? Onde se localiza a fábrica?

6- Vivência

Será criado um momento para que os alunos aprofundem o conhecimento sobre a escrita e que a mesma seja trabalhada didaticamente em sala de aula. Será criada oportunidade para a convivência e familiarização com os meios de circulação da escrita. Os alunos irão observar e manusear muitos textos pertencentes a gêneros diversificados e presentes em diferentes suportes: rótulos, placas, embalagens comerciais, revistas, jornais, contratos, livros científicos, obras literárias, histórias em quadrinhos, charges, texto : Variação linguística, documentos ( identidade, CPF, Bolsa -família, certidões, título eleitoral etc), dinheiro, cartão telefônico, talões de água, luz, telefone etc), lista telefônica.

Nesse momento, é possível aliar alfabetização e letramento. O professor deverá propor observações e reflexões, para que os alunos levantem hipóteses sobre as convenções do sistema de escrita como: tamanho da letras, letras em negrito, caixa alta; os diferentes marcadores de espaço (espaçamentos entre as palavras, pontuação e parágrafos ). Os professores devem perceber que a exploração desses marcadores, aliada ao processo de leitura, permitem que os alunos descubram diferenças entre segmentação da fala e da escrita, o que lhes será útil para o domínio da ortografia das palavras, da morfossintaxe escrita, da pontuação e da paragrafação, em momentos posteriores de seu aprendizado.

O material deve ser explorado, explicitando informações desconhecidas, sem deixar de valorizar os conhecimentos prévios dos alunos e de favorecer deduções e descobertas.

Os alunos deverão conhecer e compreender o alfabeto nos textos como: identificar o nome das letras, entender que o nome de cada letra tem relação com pelo menos um dos fonemas que ela pode representa na escrita (as exceções – h, y, w, por exemplo – são poucas e de uso frequente), compreender que as letras desempenham uma função no sistema, que é a de preencher um determinado lugar na escrita das palavras (categorização gráfica e funcional das letras, entendo que determinadas letras devem ser usadas para escrever determinadas palavras, em determinada ordem). É importante lembrar que apesar
das diferentes formas gráficas das letras em nosso alfabeto ( maiúsculas, minúsculas, imprensa, cursiva), uma letra permanece a mesma porque exerce a mesma função no sistema de escrita, ou seja, as letras têm valores funcionais fixados pela história do alfabeto e, principalmente, pela ortografia das palavras, em cada língua.

7- Metacognição
· Os alunos deverão trabalhar com a lista telefônica para analisarem a ordem alfabética de todas as 26 letras, enfatizando a visão de conjunto, a compreensão do todo e a distinção de cada letra, percebendo a sua utilidade social, visto que, em nossa sociedade, muitos escritos se organizam pela ordem alfabética.
· Aos alunos iniciantes ao processo de alfabetização deve ser proposto a produção a produção de textos simples (etiquetas, crachás, listas), fazendo com que operem direta e produtivamente com a categorização gráfica e funcional das letras, bem como
experienciem a escrita de textos que têm a efetiva aplicação e utilidade na vida social.
· Os alunos deverão explorar em jornais e revistas a compreensão das relações alfabéticas e ortográficas, bem como as relações semânticas e contextuais significativas para eles.
· Utilizando jornais e revistas, os alunos deverão explorar as relações semânticas e contextuais significativas como: elementos dos texto, seu suporte, sua esfera de circulação, fazer inferências de palavras desconhecidas, bem como a relação entre o som e a escrita. Deve ser chamada a atenção do aluno que ele não pode escrever qualquer letra em qualquer posição numa palavra, porque as letras representam fonemas, os quais aparecem em posições determinadas nas palavras ( lembrando que na língua portuguesa há pouquíssimos casos em que há uma correspondência entre um grafema e um fonemas.

TRABALHANDO EM GRUPO
· Dividir o grupo em três subgrupos e pedir que produzam:
1) tirinhas;
2)anedotas.
3)textos publicitários.
A produção desses textos deverá enfatizar elementos gráficos como negrito, caixa alta, tamanho das letras, balões, pontuação, desenhos, expressões das personagens.
· Usar a variedade linguística adequado ao gênero do texto “tirinha” e “anedota” e do “texto publicitários”
· Alertar os alunos sobre o tema central e seus desdobramentos, de modo que ele pareça para seus leitores sensato, “lógico”, bem encadeado e sem contradições.
· Levar em conta para quem está escrevendo e em que situação será lido.
· Os textos serão revistos e (re)elaborados com letra legível, de tamanho e cor que facilitam a visualização e disposição adequada no papel.
· Cada subgrupo deverá ler suas produções para os grupo.

INFORMÁTICA
Utilizar o editor de textos para produzir tirinhas, anedotas
Utilizar a internet para pesquisar texto publicitários.
Enviar e-mail's sobre os gêneros estudados.

DRAMATIZAÇÃO
Criar oportunidade para que os alunos possam dramatizar o textos estudados, explorando a participação nas situações comunicativas para que eles possam empregar a variedade e o estilo de linguagem adequados à situação comunicativa, ao interlocutor e ao gênero.
O aluno deverá assumir uma postura respeitosa para com a variedade linguística do interlocutor como parte integrante de sua identidade, bem como respeitar , nos gêneros orais, a alternância dos turnos de fala que se fizer necessária.

APRENDENDO MAIS
Explorar em jornais e revistas a extensão dos títulos, tamanho dos caracteres, posição nas páginas, presença ou ausência de imagens, observar a ordem canônica da não canônica, frases nominais, diferenciar a escrita de outros elementos gráficos.
Explorar o uso de variedades linguísticas e estilísticas dos textos apresentados, levando em consideração os respectivos suportes.
Analisar a estrutura de períodos simples, considerando a norma padrão.
Observar a pontuação enquanto efeito de sentido.
8-Avaliação ( o que aprendi foi significativo) - Oralidade
Solicitar que cada um registre, no caderno, as atividades realizadas na oficina a partir das seguintes perguntas:
· O que fizemos?
· Para que fizemos?
· O que aprendi de significativo para minha vida?
Criar oportunidades para que os alunos possam socializar suas respostas, compartilhar
seus registros.

9- Educação Física – Planejamento coletivo
· Trabalhar a coordenação motora dos alunos, utilizando a modelagem, argila, massa, jogos de dama, de xadrez, etc.
· Ginástica rítmica.
· Participar de ações culturais como: excursões, visitas a museus, idas ao cinema e/ou
teatro, promoção de semana do folclores, feira das nações, feiras dos estados, semana da cultura, permitindo a leitura de textos para pesquisas prévias, durante o planejamento e a produção de textos durante e após o evento: cartas solicitando permissão para a visita ou solicitação de transporte, relato noticioso para ser publicado no jornal da escola, após a realização do mesmo, etc. Essas ações permitem colocar o aluno em situações reais de leitura e produção de textos orais e escritos.

10- Avaliação Geral
· Portfólio, avaliação escrita, observação, fichas do desenvolvimento das atividades e do aluno.

Postado por Susana Lúcia do Nascimento

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada! Sua colaboração é muito importante para o sucesso do nosso trabalho.

Postar um comentário